Yur Saiednac

Novos mundos... mundos novos... novos rumos...

Textos

                  O CÓDIGO DA BÍBLIA Introdução
                                   MICHAEL DROSNIN

MICHAEL DROSNIN é jornalista, ex- repórter do Washington Post e do Wall Street Journal, autor de “ Citizen Hughes” (durante muito tempo na lista de best sellers do New York Times).

                                         Introdução
TUDO O QUE FOI, TUDO O QUE É E TUDO O QUE SERÁ, ATÉ O FIM DOS TEMPOS, ESTÁ INCLUÍDO NA TORAH DA PRIMEIRA À ÚLTIMA PALAVRA COM TODOS OS DETALHES, COM DETALHE DOS DETALHES DE CADA ESPÉCIE E DE CADA UM INDIVIDUALMENTE, DE TUDO O QUE LHE ACONTECEU DESDE O DIA DE SEU NASCIMENTO ATÉ A SUA MORTE.
O CÓDIGO DA BÍBLIA, É UMA REVELAÇÃO DO CRIADOR

ATRAVÉS DA BÍBLIA, DEUS FEZ DUAS REVELAÇÕES Á HUMANIDADE:

PRIMEIRA:Direta - Obtida através da simples leitura do próprio texto
contido na Bíblia.
SEGUNDA:Codificada – Implícita na Bíblia, obtida apenas por
decodificação e chamada de “Código da Bíblia”.

A divulgação a nível mundial, da descoberta de um código dentro da Bíblia judaica na sua versão original (antigo testamento), foi feita através do livro "O Código da Bíblia", escrito por um jornalista americano, sem religião, descrente, cético por natureza que sempre questionou a existência divina.

É interessante que o código aparece no inverso ou cruzamento do texto bíblico e que em cada profecia do antigo testamento, pese embora JESUS não ser aceite pelos judeus como “O Messias”, aparece no código a frase: "O MEU NOME É JESUS, EU SOU O MESSIAS".

Na primeira metade do século passado, durante a Segunda Guerra Mundial, o rabino tcheco H.M. WEISSMANDEL, na expectativa de encontrar um possível código na Bíblia, iniciou a contagem das letras hebraicas da Torah e verificou, no primeiro capítulo de Gênesis que saltando 50 letras e depois outras 50, e assim sucessivamente, se achava a palavra TORAH, encontrando o mesmo resultado em todos os livros da Torah.

Meio século após, final do milénio, o matemático israelense de fama mundial, ELIYAHU RIPS, que reside em Israel há cerca de trinta anos e leciona atualmente como professor na Universidade Hebraica de Jerusalém, ouviu de um rabino sobre o livro de anotações de WEISSMANDEL, cuja única cópia podia ser encontrada na Biblioteca Nacional de Israel cujo acesso lhe permitiu fazer sua própria análise e comprovar, em sua Bíblia, a veracidade das informações anteriormente obtidas.

Outro fato que despertou a curiosidade e o interesse de Rips e o levou a embrenhar-se nesse estudo, foi a descoberta dos pergaminhos de Newton (guardados por mais de 300 anos num cofre em Cambridge), pelo grande economista JOHN MAYARD KEYNES. Soube que este se tinha mostrado intrigado pelo insólito do conteúdo dos referidos manuscritos.
Em vez de neles se explanar sobre a Teoria da Gravidade e do Cálculo Integral, como seria de esperar, Newton dissertava sobre civilizações há muito desaparecidas, sobre a hipotética existência de um código na Bíblia e sobre o Apocalipse.
Newton aprendera o hebraico, e passara quase metade de sua vida tentando descobrir esse código, acreditando piamente em sua existência.

Sir ISAAC NEWTON, pai da ciência moderna é o maior cientista a que a historia já fez jus. Desvendou a mecânica do sistema solar e descobriu a força da gravidade.
Vislumbrou também a grandiosidade do enigma deixado pelo Criador para ser decifrado pelo homem no seu devido tempo e da criação do Universo, considerando-os como “um criptograma” criado pelo todo poderoso.
Acreditava que a Bíblia não era um mero relato de eventos nem dogmas de orientação religiosa, mas sim um código de vida com o qual o criador brindou a criatura, tal como o manual fornecido pelo fabricante que acompanha o equipamento.

RIPS tinha, porém, uma grande vantagem sobre Newton. Possuía uma ferramenta poderosíssima, o computador e com ele encontrou palavras codificadas em quantidade bem superior ao permitido pelo mero acaso randômico da estatística, chegando a algo que considerou de real importância.

Também motivado pelas referências encontradas nos manuscritos centenários de Newton, Rips analisou matematicamente a relação entre os eventos relatados na Bíblia. Nela descobriu o que aparentemente poderia ser um código, o que se empenhou em comprovar e decodificar, identificando periodicidades matemáticas na relação entre palavras correlatas.
RIPS Utilizou o “textus receptus” na sua versão original com a língua hebraica padronizada.
O computador dividiu a bíblia original e todas as edições que compõem a TORAH, com 304.805 letras, em 40 fileiras de 7.551 letras, ou 40 linhas com 7.551 colunas, após ter compactado todo o texto, sem intervalos entre ás palavras, parágrafo nenhum e nem pontuação.
Durante toda a pesquisa, tanto nos livros componentes da Torah como em outros livros da Bíblia todas as letras que compõe o livro de Gênesis, foram unidas, formando um único fluxo, sem nenhum espaço entre si, como originalmente foi escrito. O texto foi organizado num quadrado perfeito, havendo tanto nas linhas horizontais como nas verticais, a mesma quantidade de letras, exceto na última linha. Foi nesse quadrado perfeito, que o código começou a ser revelado, primeiramente no livro do Gênesis, depois em toda a Torah, em palavras cruzadas que na tela do computador se apresentam em diferentes cores.

Juntamente com DORON WITZTUM e YOAV ROSEMBERG, também judeus, Rips inicialmente preparou uma tese, "Seqüências Alfabéticas Eqüidistantes”, no Livro de Gênesis. Introduziram a tese no computador, com um resumo de seu significado e desenvolveram um sofisticado modelo matemático que, aplicado por um computador, confirmava que todo o Antigo Testamento e não só a Torah, continham mensagens codificadas. Ao observarem que algumas palavras tinham início numa extremidade do texto com continuidade na outra, decidiram por unir essas extremidades formando um cilindro, no qual a primeira linha se une à segunda, a segunda à terceira, e assim sucessivamente, até alcançar a linha final.
Assim, qualquer palavra poderia ser lida numa única seqüência.

Fizeram uma relação com 32 nomes de personagens importantes da história do judaísmo, desde os dias bíblicos até nossos dias. Impressionante resultado, que além do nome de cada um, apresentava as datas em que nasceram e morreram.
As probabilidades matemáticas de encontrar randomicamente esse tipo de informações codificadas, eram de 1 em 10 milhões.
Misturaram os 32 nomes e as 64 datas, em 10 milhões de combinações diferentes, por forma a que 9.999.999 seriam incompatíveis e só um emparelhamento poderia ser correto e rodaram o programa no computador, tentando obter os melhores resultados dentre os 10 milhões de exemplos, constatando que apenas os nomes e as datas corretas se uniram na Bíblia.

A análise randômica indicou que informações ocultas estavam entremeadas no texto do Gênesis, em forma de seqüências alfabéticas eqüidistantes, cujo efeito era significativo em 99,998%.
Observaram também, que quando o Livro do Gênesis era escrito em forma de séries bidimensionais, surgiam seqüências alfabéticas eqüidistantes, formando freqüentemente palavras com sentidos correlatos, em estreita proximidade. Foram desenvolvidas ferramentas quantitativas para mensurar este fenômeno. A análise de randomização, mostra que o efeito é significativo ao nível de 0.00002.

Para que as codificações das revelações encontradas na Bíblia não fossem consideradas mera casualidade, outras obras com a mesma dimensão da Torah, foram submetidas ao teste, tal como a versão de Guerra e Paz, de Tolstoi em hebraico.
Todas as pesquisas realizadas nessas obras foram em vão. Em nenhuma delas foi detectada a presença de qualquer tipo de código.

Rips e seus amigos submeteram seus ensaios aos mais rigorosos testes, aplicados pelos maiores matemáticos do mundo, muitos deles ateus, mas todos se inclinaram perante as evidências. Na tela do computador, a evidência clara de que a Bíblia foi elaborada por uma inteligência infinitamente superior que a dos homens.

O código da Bíblia aparenta ser tão complexo, que mesmo trabalhando em conjunto todos os computadores do mundo, seriam incapazes de elaborarem algo com tamanha amplitude.

A precisão de centenas ou até milhares de acontecimentos passados, são prova inabalável da autenticidade da descoberta de Rips. Tais eventos são apresentados com detalhes e datas, codificados nos seis livros que compõem A Torah.
FIM
Yur Saiednac
Brevemente:
PROXIMO RESUMO: “O CÓDIGO DA BÍBLIA I” Aguardem.

Obrigado por apoiar um novato, dignando-se ler meu pobre trabalho.
Por favor, sem querer abusar de seu tempo, me ajude a melhorar. Comente e critique este trabalho. Me dê o seu parecer.
Muito obrigado.

Que o COSMOS derrame sobre si e sua família as maiores bençãos.

PAZ E AMOR NO UNIVERSO
Yur Saiednac

Yur Saiednac
Enviado por Yur Saiednac em 16/11/2009
Alterado em 16/06/2010
Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras