Yur Saiednac

Novos mundos... mundos novos... novos rumos...

Textos


Vol I
A BUSCA
 
AGRADECIMENTOS
 
Ao SER SUPREMO / COSMOS
À Cósmica Inteligência Pura e Criadora que me facultou a percepção, o conhecimento inato, o raciocínio lógico, a capacidade analítica e a consciência ética.
 
Aos meus pais pela educação, formação e princípios que me transmitiram e proporcionaram, cimentando o meu caminho na senda do bem e amor ao próximo. Que estejam em bom recanto.
 
À minha família: esposa, filhos e netos, agradeço pelo carinho, incentivo, compreensão e paciência. Peço-lhes perdão pelo tempo em que os descurei, através do meu afastamento forçado por dias e noites, dedicadas a estudos e pesquisas, afim de conseguir esboçar e desenvolver o tema que integra esta pequena obra, que a eles agora dedico.

Um beijo no coração de cada um deles.
                       Com amor...      RuCa

 
"QUE O AMOR EMANE DO SER HUMANO"
 
Que as diferenças se superem,
Se unam as raças e as religiões.
Que os preconceitos se dissipem,
Se acabem as discriminações.

"E QUE A PAZ REINE NO UNIVERSO"
"DOMINI SOL"
                                                                   Yur Saiednac

 
 *****************************

 
PREÂMBULO
A TERRA agoniza. Inúmeros acontecimentos convergem para que isso aconteça: Aquecimento global, catástrofes ambientais, tufões, terremotos, maremotos, tsunamis, erupções vulcânicas, queimadas, desmatamento indiscriminado, extinção de inúmeras espécies da fauna e flora pelo uso irracional do ecossistema, entre tantos outros.
 
A SOCIEDADE CLAMA POR SOCORRO. Guerras; terrorismo; política; drogas; acidentes ambientais; corrupção desenfreada; desequilíbrio social e econômico, discriminação, inexistência ou desproporcionalidade nas aposentadorias; políticas sociais ineficientes; saúde e educação de baixo nível (quando facultados pelos governos); desemprego; fome: pobreza; miséria; falta de segurança.
 
A HUMANIDADE caminha a passos largos para a sua derrocada e extinção.
 
*************************************
 
CONSIDERAÇÕES
A Crise se agrava no mundo.
 
Os Países lutam com imensas dificuldades nas áreas econômico-financeira e social como consequência dos altos impostos e taxas de juros e com caóticos desempenhos em: Previdência; saúde; educação; emprego e segurança.
 
A corrupção quebra as economias, empobrece os países acaba com as políticas sociais (saúde, educação, segurança e bem-estar) e aniquila as sociedades.
 
As diferenças sociais e econômicas, suas causas e efeitos, promovem a intolerância racial e religiosa no mundo.
 
O racismo, a descriminação e a intolerância, são rastilho e combustível para conflitos sociais e guerras regionais e internacionais.
 
O desemprego e o desfazamento salarial levam à fome e criam um fosso abismal entre as classes.
 
O veto ás drogas promove a ânsia da obtenção de lucro fácil e rápido, até como meio de reverter a situação de fome e carência de alguns, com a disseminação do tráfico e distribuição indiscriminada de drogas, provocando a derrocada familiar e social e o aumento substancial da criminalidade.
 
Em todo o Planeta, a sociedade mais carente e necessitada busca rendas alternativas, valorizando meios fáceis e rápidos de obtê-las, visando a sua subsistência, muitas vezes de forma pouco lícita e ortodoxa, inflando o tráfico e a criminalidade.
 
Considerando a atual política internacional e analisando os acontecimentos diários globais, conclui-se que dificilmente haverá melhoras e/ou recuperação a curto e/ou médio prazos, nos atuais moldes políticos e socioeconômicos.
 
O abismo entre as classes se acentua a cada dia... Contribuem muito também os desportos, com patrocinadores poderosos, inflando as bilheterias dos clubes que vão também aumentando o seu poderio, inflacionando e supervalorizando os atletas normalmente oriundos das classes menos favorecidas e carentes, que se embevecem com a sua rápida explosão financeira e repentino poder aquisitivo, se permitindo luxos e gastos excessivos e desnecessários.
 
Oportunistas se valem das diversas situações que se lhes tornam favoráveis, para usufruírem benefícios de forma ilícita.
 
Empresários inescrupulosos ávidos de lucro fácil disseminam o vírus da corrupção entre os poderes dos Estados de Direito atraindo políticos corruptos.
 
Estes, embevecidos com a possibilidade de enriquecimento rápido aproveitam para lavar o dinheiro sujo patrocinando atividades ilegais, escorados por alguns elementos sem caráter oriundos de órgãos públicos de segurança acima de qualquer suspeita.
 
O Tráfico indiscriminado (drogas; armas; órgãos; crianças; mulheres, etc.) se impõe e com ele todas as consequências sociais inerentes.
 
O lucro obtido com as drogas patrocina grupos criminosos e milícias que contaminam elementos de órgãos de defesa civil/militar e minam políticos e funcionários corruptos.
 
Os órgãos de justiça ficam incapacitados de analisar e julgar os tsunamis de processos que lhe são encaminhados.
 
A criminalidade aumenta assustadoramente. Vale tudo para roubar. Mesmo matar se necessário for, não interessa se adulto ou criança. A vida humana não tem mais qualquer valor.
 
Quanto mais prisões se constroem, mais se tornam necessárias, em função do aumento vertiginoso da população carcerária na sua maioria reincidente.
 
A maioria dos presos acaba preferindo voltar, pois enquanto na cadeia e sem precisarem trabalhar, têm direito a alimentação, assistência médica e vestuário e as suas famílias recebem um salário como subsídio familiar, obtendo assim uma forma de receita, suprindo as necessidades básicas das suas famílias.
 
As cadeias e casas de detenção são insuficientes para albergarem a superpopulação carcerária. Os presos vivem empilhados em condições subumanas, a maioria sem acompanhamento psicológico e sem reeducação ou preparação profissionalizante nem ocupação interna que venha a permitir-lhes a consequente e necessária recuperação para reintegração na sociedade.
 
Todos querem e procuram ser políticos por causa dos ótimos salários, regalias e benesses apetecíveis de que estes desfrutam.
Frequente e regularmente os Políticos e integrantes dos diferentes poderes do Estado, obtêm aumentos e subsídios consideráveis, (valores e percentuais) bem diferentes dos paupérrimos valores ou migalhas inerentes aos aumentos e subsídios anuais concedidos aos funcionários, trabalhadores e operários.
 
Não é difícil fazer o comparativo entre as horas trabalhadas e valores auferidos pelos políticos e os auferidos pelos trabalhadores, começando pelo valor do salário mínimo.
O povo cruza os braços e aguarda, sem saber o que, como nem quando. O cidadão vai ás urnas por obrigação, elege os seus representantes confiando neles para representa-lo no congresso e no governo defendendo os seus interesses.
 
A população confia e vota em candidatos que lhes prometeram mundos e fundos.... Vota em candidatos que são seus ídolos, como: cantores (as); atores; artistas; apresentadores de televisão; radialistas; jogadores de futebol; entre outros, conhecidos das telas da TV ou dos campos de futebol, ou ainda candidatos bem posicionados na sociedade que embora desconhecidos lhes fizeram promessas e ofertas tentadoras com o fim de conseguirem seus votos.
 
Triste ilusão, pois os seus eleitos, quer por desconhecimento, incompetência, despreparo ou desinteresse, nada mais fazem do que olhar os próprios umbigos, defender interesses pessoais, procurando beneficiar-se dos cargos para enriquecer rapidamente, enquanto o povo que os elegeu passa fome e necessidades, sofre e morre.
 
Hoje com a caça ás bruxas nos meios “político e empresarial”, atrás de corruptos e corruptores, os poderes e os governantes buscam respostas e fórmulas mágicas para estancarem o rombo e estabilizarem a economia, aumentando impostos e elaborando alterações através de PEC’s.
 
Mas a situação carece de tempo hábil para que comecem a sentir-se os efeitos das medidas de recuperação.
 
Mesmo assim, as principais causas dos problemas da sociedade atual permanecerão e terão tendência a agravarem-se indefinidamente, pois o cerne da questão (os problemas sociais e o fosso entre as classes) será mantido. 
 
O futuro se vislumbra nublado e indefinido.
 
E assim, caminhamos a passos largos para o fim, caso não nos decidamos a reverter drasticamente o fluxo catastrófico nas corredeiras do rio social da humanidade.    
 
SITUAÇÃO ECONOMICA E FISCAL
 
A ECONOMIA em crise, face à retração do comércio e consequentemente também da indústria, motivada pelos baixos salários, pelo alto índice de desemprego, pelos juros altíssimos e por taxas e impostos absurdos e incompatíveis com a disponibilidade financeira do contribuinte, o mau e irracional uso dos recursos naturais, os prejuízos com a péssima gestão e administração do patrimônio público e das empresas estatais, os escândalos políticos com corrupção e desvios nos países que se apregoam de democráticos, a instabilidade, as dissidências e as guerrilhas em países com governos ditatoriais, males agravados pela crise econômica mundial, fazem agonizar as populações.
Tornam-se urgentes e necessários procedimentos como:

SUPRIMIR AS FRONTEIRAS ECONÔMICAS E SOCIAIS, mantendo apenas FRONTEIRAS ADMINISTRATIVAS, com livre comércio e intercâmbio industrial.
 
REDUZIR até SUPRIMIR A BUROCRACIA, começando por substituir todos os documentos pessoais de identificação e de propriedade obrigatórios, por um chip de identificação biométrico atualizável do qual constarão todos os dados e históricos do cidadão. Além da identificação, terá incluso também a formação, habilitações e todo o tipo de registros e de cadastros sociais, incluindo fichas médicas, contas bancárias e fiscais, podendo ser usado para recebimentos e pagamentos de contas e valores no país e/ou no exterior, em países que possam vir a adotar o mesmo sistema, acabando com a emissão e circulação do papel moeda, cheques e/ou cartões.
 
Todo o pagamento e recebimento, transferências e/ou qualquer tipo de operações bancárias incluindo cobranças de taxas e impostos serão operados através do chip de identificação biométrica. No caso de pessoa Jurídica utilizar-se-á o mesmo sistema de chip.
 
Este Chip estará conectado ao sistema de identificação e no que a eles disser respeito, ás juntas comerciais e/ou industriais, entidades profissionais e/ou de classes, entidades bancárias, previdência e receitas.
 
Terminar com a exigência de reconhecimentos de firmas e autenticações de documentos, pedido de documentos duplicados para comprovação de residência, ex: Declaração de residência feita pelo titular da casa, deve apresentar fatura de luz e contrato de aluguel... e outras no género.
 
O próprio chip poderá substituir todos estes comprovantes. Atentem para a redução de gastos e taxas, além da popança do tempo hoje gasto em correrias atrás desses documentos.
 
ALÉM DA RAPIDEZ NAS OPERAÇÕES E REDUÇÃO DE CUSTOS, ESTAS MEDIDAS TERÃO IMPACTO IMEDIATO E CONSIDERÁVEL NA REDUÇÃO DA CRIMINALIDADE.
 
REDUZIR, UNIFICAR E/ou SIMPLIFICAR JUROS, TAXAS E IMPOSTOS
 
1.- JUROS
Estudo e análise de especialistas para redução consciente de juros, ao nível mínimo de taxas mensais que cubram despesas e ganhos normais não abusivos, acima do valor real do custo do crédito.
Atendendo à inexistência de inadimplência no sistema proposto, torna-se desnecessária a cobrança de taxas de juros superiores e/ou abusivas, como respaldo ou garante de eventuais insolvências.
Os pagamentos de parcelas e eventuais Juros à data de vencimento, serão deduzidos direta e automaticamente pelas instituições bancárias, nas contas dos respetivos devedores, com baixa imediata e automática no chip do titular.
 
2,- TAXAS E IMPOSTOS
- Acabar com cobranças duplicadas de taxas e impostos
- Acabar com tributação de taxas e impostos sobrepostos.
- Redução e racionalização de taxas e impostos.
- Impostos e taxas iguais para todos.
- Criação de novas formas e meios sustentáveis de arrecadação.
 
3.- DESEMPREGO E DESNIVEL SOCIAL
O elevado índice de desemprego motivado pela crise econômica afeta grande cota populacional em todo o mundo.
 
A situação se agrava com a crise política e social e com os altos juros, taxas e impostos.
 
O desemprego aumenta diariamente, atingindo bilhões de cidadãos em todo o mundo e de nada adiantam subsídios miseráveis que os governos vêm propondo, que mais se assemelham a esmolas que em nada ajudam por insuficientes e que pelo contrário, envergonham os chefes das famílias que os recebem, pese embora cidadãos com posses usufruírem desses benefícios sem qualquer pejo ou vergonha.
 
Com estes subsídios, governantes e políticos pensam atrair a gratidão e o voto popular e gritam aos quatro ventos o quanto fazem pelo povo que na sua ingenuidade sai ás ruas apoiando e agradecendo a miséria das migalhas com que os nababos os brindam, enquanto chafurdam nas lixeiras, buscando eventuais restos de alimentos descartados pelos mais abastados ou preteridos pelos cachorros e gatos da vizinhança.
 
Do que as famílias realmente necessitam não é de esmola, mas de uma renda fixa mensal decente, através de um emprego honesto que permita aos pais alimentarem e darem uma vida digna aos seus filhos.
 
É NECESSÁRIO CRIAREM-SE MEIOS E CONDIÇÕES QUE PERMITAM A ABERTURA DE POSTOS DE TRABALHO.
 
O cidadão não quer viver de esmolas, quer sobreviver e sustentar a família com a remuneração proveniente de um trabalho honesto do qual os filhos possam sentir orgulho.
 
Privados de emprego e recursos, os trabalhadores vão tentando sobreviver de “bicos” ou da informalidade e quando nem destes conseguem recursos, ou enveredam pelo crime ou se entregam à miséria das ruas, sem teto nem abrigo, alimentando-se de restos ou da bondade de uns poucos.
 
E assim o povo assiste passivamente e pactua com a situação atual e com o desfasamento salarial entre o salário de um político (chegando a mais de cem mil mensais com os subsídios) e o de um operário ou empregado (a pouco mais de novecentos mensais), considerando que os políticos na sua maioria são despreparados e de baixo nível de escolaridade e trabalham tanto ou menos que qualquer trabalhador do povo.
Os parcos recursos auferidos pelo trabalhador mal dão para pagar o aluguel e o consumo de água e luz de um lar decente e sem conforto para abrigar a família, muito menos para prover o seu alimento e necessidades higiênicas e pessoais.
 
Enquanto uns têm aviões, helicópteros, carros e motos, a maioria nem uma bicicleta podem comprar menos ainda adquirir ou ter acesso a equipamentos eletrônicos domésticos e pessoais. Assistiu-se nos últimos anos ao desaparecimento da classe média, da qual pouquíssimos foram aqueles que conseguiram ascender à classe rica e na sua maioria afundaram na pobreza, ampliando ainda mais o fosso entre as classes.
Os mesmos políticos que apregoam terem criado e serem os mentores desses mesmos subsídios e bolsas, exercem ou exerceram mandatos temporários de serviço e após o termino dos mesmos continuarão recebendo os seus salários além da aposentadoria, com direito a casa totalmente equipada, alimentos, produtos etc., carro e transportes, empregados, seguranças pessoais e demais benesses, até ao fim dos seus dias.
 
Será que estes humanos são algum tipo de seres especiais de classe superior, intocáveis e com necessidades mais sofisticadas e diferentes dos humildes mortais?
 
No setor privado, cidadãos formados ou com cursos universitários têm salários muito maiores e mais regalias do que operários ou empregados de baixa ou média formação escolar (hoje muitos deles já com cursos profissionalizantes), autodidatas formados apenas pela faculdade da vida.
 
Mesmo em igualdade de circunstâncias, existem diferenças salariais em função do sexo, etnia, origem e outros fatores. Jovens e inexperientes engenheiros, arquitetos, administradores, ganhando muito mais do que operários ou funcionários experientes, com vinte ou trinta anos de empresa.
 
Será que um jovem solteiro ou recém-casado tem maiores necessidades e responsabilidades familiares do que um chefe de família com quarenta anos de idade e cinco filhos entre crianças e adolescentes? Será que o sexo ou a cor da pele têm influência nas necessidades familiares de cada ser humano?
 
Seria mais digno acabar com os altíssimos salários de políticos e governantes, baixando-os a um patamar mais racional e aumentar mais os salários dos trabalhadores para um nível mais condizente com as suas necessidades. E com que facilidade estes governantes / políticos conseguem enganar o povo, falando com desplante em democracia e igualdade.
 
É importante terminar com a sociedade política, encerrando os partidos políticos e acabando com as eleições obrigatórias, criando-se um novo sistema de nomeação dos dirigentes.

Necessário se torna também REVER, ATUALIZAR E ADAPTAR as leis trabalhistas, por forma a obtenção de um equilíbrio entre deveres e garantias de patronato e trabalhadores.

Criação e aumento de postos de trabalho com vista a erradicação do câncer do desemprego, facilitando e agilizando a abertura de empresas e comércios, com a desburocratização e redução de autorizações (e respetivos prazos de concessão) e suspensão parcial ou redução substancial dos atuais encargos trabalhistas, como incentivos para a entidade patronal.
 
Redução do horário de trabalho, com a criação de turnos laborais de 6 horas e ampliação dos horários de funcionamento. Como exemplos podemos considerar provisoriamente: Escritórios, Comércios e Serviços, Dois turnos de 6 horas, das 07 horas ás 20 horas de Segunda a Sexta Feira – folga obrigatória nos Sábados, Domingos e Feriados. Os departamentos laborais de produção das indústrias, funcionarão também em turnos de 6 horas, 24 sobre 24 horas, de Segunda a Sábado (se necessário), sendo o Sábado considerado como serviço extra, com acréscimo de 50% e feriados com acréscimo de 100% no valor do dia (turnos de 6 horas). Descansos obrigatórios alternados em Domingos e feriados, intercalados entre os trabalhadores com horários consecutivos em fins de semana e feriados.
 
PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL  
 
O maior câncer da sociedade. Sujeita a constantes desvios de verbas e golpes diversos, (divulgados na mídia quando descobertos), Aposentadorias com distribuição desequilibrada à sociedade. Uns recebem mais do que precisam, outros menos do que necessitam, alguns apenas uma ajuda que mal dá para comer e muitos nada recebem.
 
Porém, enquanto os vivos não recebem tem mortos que recebem por eles e tem também pessoas absolutamente sãs que recebem como doentes ou portadores de deficiências.
 
Jovens (sãos e sarados) e até pessoas falecidas, recebem auxílio saúde e aposentadorias.
 
Alguns políticos e ex-presidentes recebem salários e subsídios, têm direito a casas, carros, transportes, empregados, seguranças e benesses, e ainda recebem aposentadoria, sem carência nem obrigatoriedade de tempo de serviço.
 
O tratamento descriminado ao contribuinte da previdência e assistência social, causa descontentamentos e polêmicas.
 
Enquanto cidadãos comuns necessitam de até cinco ou mais meses após várias deslocações (algumas verdadeiras viagens) e idas e vindas para conseguir uma aposentadoria outros (cidadãos especiais), tal como aconteceu recentemente com uma ex-presidente de república que tão logo e em seguida ao término do seu mandato, mesmo antes de abandonar o palácio, já tinha a aposentadoria concedida, são rapidamente atendidos e beneficiados furando filas sem respeito pelos demais. 
 
Entretanto idosos morrem de fome e passam necessidades, muitos abandonados e sem teto, pois não têm direito a aposentadoria em virtude de terem ficado sem emprego e impossibilitados de contribuir pelo tempo exigido, outros, porque simplesmente a entidade patronal nunca depositou ao INSS os valores descontados em folha ao funcionário.
 
No que concerne ao povo (população em geral), a previdência social como aplicada, só beneficia o trabalhador que descontou para isso e cujo patrão cumpriu com os respetivos depósitos ao INSS. Porém o trabalhador que fica no desemprego e sem recursos por motivos alheios à sua vontade, é obrigado a parar de contribuir. Se não conseguir voltar ao mercado de trabalho, não tem como contribuir e consequentemente também não terá como se aposentar. Vai terminar os seus dias na miséria. Bom, segundo a lei, terá sempre a possibilidade de completar o pagamento das contribuições inerentes os anos
Que não pode contribuir. Mas se ele não pagou a parcela mensal da contribuição por não ter emprego nem dinheiro, como vai poder pagar a totalidade das parcelas correspondentes aos anos que não contribuiu, se continua sem dinheiro? É uma verdadeira utopia para a qual nem o maior cientista consegue obter uma solução válida e viável. Só os políticos visionários e despreparados nos quais votamos poderão achar isso possível.
 
Os políticos esquecem que a previdência social foi idealizada para benefício e auxilio ao ser humano, independentemente de ter conseguido terminar de contribuir ou não, pois nem por isso deixou de pagar os impostos que lhe são embutidos nos bens de consumo. Então, todo o cidadão contribui para o desenvolvimento do país.
 
Assim, todo o cidadão deverá ter direito a aposentadoria, independente da contribuição obrigatória para quem trabalha. Bastará que haja uma distribuição mais racional e equitativa dos fundos da previdência.
Por outro lado, recebendo o cidadão uma aposentadoria racional, deverá este continuar a descontar um percentual para o INSS, enquanto dela beneficiar, para auxílio das aposentadorias daqueles que não tiveram possibilidade de cumprir na íntegra com a sua contribuição.
 
SAÚDE
 
Infelizmente, só as classes mais favorecidas têm direito e acesso a saúde e medicamentos, pois têm condições financeiras para pagar os altos custos dos medicamentos e da assistência privada.
 
Quanto ás populações de baixa renda e mais carentes, ficam sujeitas à assistência social, com falta de medicamentos e de profissionais médicos e enfermeiros (as vezes por motivo de desvio de verbas), a intermináveis filas de espera para consultas, exames ( quando existem equipamentos e estes funcionam) e medicamentos (quase sempre em falta nas farmácias municipais).
 
O atendimento a este setor da população na maior parte dos casos graves e/ou urgentes chega tarde demais para os pacientes encontrando-os mortos ou em fase terminal e irreversiva.
 
Os idosos que se utilizam da assistência social necessitam levantar-se antes do dia clarear, faça chuva ou sol e deslocar-se percorrendo a pé (na maioria dos casos) longas distâncias para enfrentar filas intermináveis, tendo que aguardar a sua vez geralmente em pé sem um mínimo de conforto.
 
Todos os setores de assistência pública são extremamente carentes e falhos, não satisfazendo minimamente as necessidades da população e amarfanhando os seus direitos humanos. 
 
Madrugar e enfrentar filas intermináveis para marcação de consultas (sujeitas a meses de espera) e na data prevista madrugar para enfrentar mais filas e nem sempre conseguir ser atendido. Medicamentos dificilmente se encontram disponíveis, na maioria das vezes estão em falta.
 
Quando exames se tornam necessários então, é um pesadelo. Mais de um ano de idas e vindas, filas, marcações de consultas e exames a perder de vista e acontece frequentemente a doença não esperar e vitimar o paciente antes mesmo do resultado dos exames.
 
Bem diferente dos governantes e políticos que se arvoram em protetores da saúde pública para convencerem os eleitores. Estes ganham bem e têm dinheiro para pagar assistência privada para si e seus familiares, até para se tratarem fora do país.
 
EDUCAÇÃO e FORMAÇÃO
 
O ENSINO, como base do desenvolvimento, deixa a desejar:
Ensino particular muito caro, e o ensino social (oficial) muito carente devido a fatores diversos, tais como: Verbas desviadas, professores mal pagos, carência de professores, falta de escolas e estabelecimentos de ensino, carência de vagas e de matrículas, sistemas discriminativos de quotas raciais, baixa qualidade do ensino (salvo raras e validas exceções), falta de orientação profissional; leis protetivas à infância e ao adolescente (inadequadas ou contraproducentes) e a deserção do ensino por parte dos alunos provocada pela necessidade de provimento financeiro familiar devido ao desemprego.
 
A FORMAÇÃO, na área social não encontra base de apoio na maioria dos lares e das instituições de ensino, devido não só à falta de preparação dos pais, tutores e professores (salvo raras exceções), mas também a baixa formação na sociedade das comunidades em que as crianças e os jovens se encontram inseridos.
 
Quanto à formação profissional, (que deveria começar desde tenra idade após seleção de tendência de capacidades e respectiva orientação profissional), apenas tem lugar na idade adulta (na maioria dos casos), por imposição das necessidades e carências do indivíduo, que se submete a sacrificar o seu tempo de descanso e lazer e o próprio salário, visando melhorar a sua situação ou status profissional.   
 
SEGURANÇA SOCIAL
 
A SEGURANÇA social é precaríssima.
 
A falta de escrúpulos de muitos, a crise econômica e social, o fosso do poder aquisitivo que se amplia entre as classes e as necessidades prementes, são incentivos à ganância, à inveja e à ânsia de poder, despoletando o espírito criminoso do indivíduo.
 
As autoridades constituídas não são mais garante de segurança. Ninguém está seguro nem em casa nem na rua. Quando se depara com um elemento fardado, não se sabe se é agente de autoridade ou criminoso. Existem vários grupos policiais, corporações independentes ou autônomas, para proteção da sociedade e combate a crimes específicos, porém minados e corrompidos por células criminosas que espionam as corporações e trabalham em parceria e em prol das gangues e grupos criminosos, avisando-os antecipadamente sobre todas as movimentações e operações dos agentes e permitindo aos acólitos escaparem ás malhas da lei, tornando muitas vezes absolutamente ineficiente o trabalho dos agentes íntegros, acarretando como consequência o aumento assustador de assaltos e homicídios.  
 
CRIMINALIDADE
 
É sabido que embora não seja justificável, o aumento vertiginoso da criminalidade deve-se, em grande parte, à crise social e econômica que o mundo atravessa.
O crime domina e controla a sociedade. A vida não tem mais valor. Mata-se indiscriminadamente. Quem tem porque tem e também quem não tem, porque deveria ter.
 
Criança é bandido... Avô é pedófilo... Padre é assaltante... Pastor é estelionatário... Médico é estuprador... Juiz é Assassino.... Político é corrupto... Empresário é corruptor. Qualquer deles pode ser ou vir a tornar-se terrorista ou traficante.
 
A escória da sociedade (terroristas, assassinos, pedófilos e estupradores) recebe o mesmo tratamento na justiça que o traficante, o corrupto, o estelionatário, o ladrão de bancos, o assaltante, o batedor de carteiras e até o desesperado pai de família que rouba um leite ou uma galinha para saciar a fome dos filhos.
 
Não porque a justiça seja ruim, mas porque ela se baseia em leis que assim o permitem e cuja revisão se torna premente e absolutamente necessária. Por vezes, o criminoso: pedófilo, estuprador, feminicida, assassino frio que ceifa uma vida por motivo torpe e com requintes de malvadez, tem uma pena inferior a um outro que tirou uma vida acidentalmente e sem qualquer intenção de matar, um batedor de carteira que rouba sem atentar contra a integridade física de terceiros, do pai que rouba comida no mercado para alimentar os seus filhos.
 
Os presos deverão ser separados em cadeias distintas, conforme o tipo de crime e terem os seus direitos políticos e civis caçados até ao término do cumprimento da pena e à sua reintegração à sociedade.
 
As cadeias deverão ser privadas e separadas por periculosidade dos internos, e pelo gravame dos seus crimes.
 
Os assassinos de crimes bárbaros e os criminosos de roubo seguido de morte, deverão ter penas pesadas e agravadas, até à prisão perpétua, sem qualquer redução de pena.
Ficarão em total reclusão em cadeias de segurança máxima, beneficiando apenas dos direitos humanos minimamente necessários à sua sobrevivência e à manutenção da sua saúde, sem televisão, rádio e telefone, sem benesses nem visitas e serão obrigados a cumprir período normal de trabalho, para a sua manutenção e sustento pessoal, dentro das próprias cadeias. Não terão direito, exceto à do seu advogado, a qualquer outro tipo de visitas, nem dos próprios familiares, nem íntimas. Não terão direito também a qualquer ajuda ou remuneração do governo.
 
Todos os demais presos deverão trabalhar em obras públicas e civis para auferirem um salário que lhes permita a sua manutenção e sustento e o de suas famílias, enquanto cumprem as respetivas penas e se recuperam socialmente.
Deverão ser acompanhados e orientados por psicólogos, poderão estudar em meio período, ter as penas revistas e reduzidas por bom comportamento e direito a progressividade de penas, beneficiar da visita de familiares e de visitas íntimas, atendendo sempre ao seu comportamento e cumprimento dos regulamentos institucionais.
 
 QUE MUNDO É ESTE EM QUE VIVEMOS?
 
Talvez seja a hora de promovermos um equilíbrio social, dentro de uma verdadeira democracia. 
 
VAMOS CRIAR UM MUNDO MAIS FELIZ E EQUILIBRADO?
 
Um MUNDO onde todos possam NASCER; CRESCER; VIVER e MORRER – IGUAIS e LIVRES?
 
UMA NOVA E IDEAL SOCIEDADE HUMANA
Rui Candeias
 
CONTINUA NO TOMO II
HUMANISMO - O ALVORESCER
 
Yur Saiednac
Enviado por Yur Saiednac em 22/03/2019
Alterado em 23/03/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras